terça-feira, 23 de março de 2010


Entre muitíssimas outras coisas existem dois aspectos que me impressionam em “Khane-ye doust kodjast”, o filme de Kiarostami. Como do tão pequeno se chega ao grande e como o iraniano, desviando-se a qualquer catalogação puramente neo-realista, naturalista ou mesmo a ideais de puritanismo exacerbado, trabalha o suspense e toda uma atmosfera que por vezes ronda o alucinatório. Começa-se numa escola, numa turma, tudo muito pequeno, desde os alunos até aos motivos que irão despoletar a trama, dos espaços ao modo cerrada e solto como a câmara vai apreender todo aquele pequeno e significativo mundo. Câmara que estará sempre arredada das leis e da prisão da linguagem, antes protegida pela língua e pelo amor. Saímos da sala e temos, à maneira de “Moonfleet”, um filme visto e conduzido pelos olhos e pelo coração de uma criança jovial e séria, e é também assim que vamos experienciar toda uma humanidade, toda uma natureza e manifestações dos sentidos. Radiografia etnográfica, estudo de costumes, realidade descarnada muito longe do panfleto sociológico, sim, mas o que mais me espanta é como de um gesto de consciencialização tão exíguo – mesmo tendo em conta a redimencionalização inerente à idade – o miúdo nos vai levar consigo por todos aqueles espaços e caminhos labirínticos e secretos, mágicos e sombrios. Como uma tal pulsão que parece tocar o ridículo se transforma no catalisador de uma pura aventura deambulatória elevada pela pressão do tempo e do desespero. Vai encontrar o amigo? Vai entregar o caderno? Vai escapar impune à sua ousadia e risco? Parece também ser Hitchcock e muita da estrutura geométrica que o cinema clássico americano inventou, contra todos os credos. E vai ser nesta dúbia ambivalência entre a falta de certezas, a suspensão e a perdição – ao qual também o filme se deixa perder hiperbolicamente na parte final, em sequências sombrias e fantasmagóricas, com as suas cores quentes, rompidas e estilhaçadas, subidas e descidas de escadas, atmosferas barrocas e expressionistas – conjugadas com o estoicismo do miúdo e a distância reveladora do cineasta, que o patético se alteia ao sublime. Como na mais bela cena em que Kiarostami esquece a trama e deixa correr a vida – a dádiva final ao velho que faz portas de madeira, ali, sozinho, apaziguado. Ou a cena realmente última em que por artes mágicas tudo se reverte e se resolve. Pequeno e grande, não um milagre à Dreyer ou Rossellini, mas mesmo assim um milagre, o milagre daqueles seres. Como do mínimo e do íntimo se chega ao máximo, a um incomensurável dos afectos, só pode mesmo ser um dos propósitos mais elevados do cinema, de qualquer arte.

5 comentários:

João Palhares disse...

Adoro este filme e subscrevo muitas destas palavras. Ponho-o ao lado doutro filme que muito estimo: o "Bom Dia" do Ozu...
Já agora, vi isto há uns tempos:
http://sol.sapo.pt/blogs/apedrovasconcelos/archive/2007/11/03/Zidane.aspx
É assim mesmo, eheh...

Sabrina Marques. disse...

Boa noite, José. Bom texto, também eu adoro o filme.

(aproveitei e espreitei este link indicado pelo João Palhares e realmente me certifico constantemente na verdade de que o APV me tira do sério. A cada parágrafo, intervenção, interjeição ... uma barbárie dispensável...)

Ricardo Martins disse...

Este foi um filme que me deixou encantado quando vi na Cinemateca há uns anos e é, a meu ver, um dos melhores filmes com/para crianças de sempre.

怡如 disse...

處順境須謹慎,處逆境要忍耐..................................................

奕LonniePettus0908希 disse...

小聊天室彰化聊天室豆豆聊聊天080人聊天室尋夢元聊天咪咪色貼咪咪情色區哈比成人網金瓶成人影片交流區金平梅近親相姦免費影片松島楓看波波貼圖區波波線上美女拳波波線上遊網波波線上戲網波霸美女貼圖區玩女人視訊網玩女人試看片玩女人影片直播色情片直播免費影片芭比成人情色花王影片哈比淫色網哈免費小遊戲洪爺色情免費影片洪爺色情網站影片洪爺色論壇洪爺免費直播片學生妹做愛自拍影片夫妻聯誼視訊美女豆豆聊天室